Museu Marítimo de Ílhavo
HOMENS E NAVIOS DO BACALHAU

Arquivo digital que documenta as campanhas bacalhoeiras desde o início do século XX

Peça do mês de fevereiro: Búzios da Terra Nova

01 de Fevereiro de 2019 a 28 de Fevereiro de 2019
Img 7804 site 1 772 9999

A amizade entre Américo Teles e Pierre Delpeut – exímio malacologista – permitiu que, na década de setenta do século XX, a coleção do especialista fosse integralmente doada ao Museu Marítimo e Regional de Ílhavo. Os espécimes reunidos ao longo de vinte anos são representativos de quase todos os mares e oceanos mundiais, dos quais destacamos os exemplares provenientes dos mares da Terra Nova e Gronelândia capturados pelos pescadores do bacalhau.

 

A “receita” para a captura destes espécimes provenientes da América do Norte está vertida numa troca de correspondência entre Pierre Delpeut e Américo Teles, na qual se refere que “[…] um simples aro metálico, com um metro de diâmetro, pouco mais ou menos, com um bocado de serapilheira um pouco maior, não esticada, e de forma a fazer bolsa, com alguns restos de peixe como isca, ficando no fundo por algumas horas, por baixo do navio ancorado ou de preferência com uma pequena boia servindo de fluctuador, constitui uma ratoeira para buzios muito empregada na América do Norte, que pode ser produtiva nos sítios em que os buzios são abundantes, e que pouco ou nenhum trabalho dá.[...]”.

Estas informações eram transmitidas a determinados elementos das tripulações dos navios bacalhoeiros incumbidos de capturar os espécimes vivos, e dos manter em perfeito estado.

Quando entregues a Américo Teles eram expedidos para Pierre Delpeut encarregue de os avaliar e trocá-los com os “[…] colegas de conchiologia.[...]”.

 

Excertos retirados de uma carta enviada por Pierre Delpeut a Américo Teles, datada de 9 de janeiro de 1961.